Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. Apoio da Finep viabiliza construção do primeiro robô autônomo para desinfecção de ambientes da América Latina
fechar
Compartilhar

 robo desinfeccao

Ele é fruto da pandemia, prova de que crises podem mesmo ser lidas como oportunidades. Em 2020, quando a Covid-19 se alastrava pelo mundo ameaçando vidas, a empresa Instor Projetos e Robótica, especializada em robótica móvel e inteligência artificial aplicada a áreas como segurança do trabalho e exploração de petróleo e gás, se inscreveu em uma chamada pública lançada pela Finep, que buscava “Soluções Inovadoras para o combate ao Covid-19”. Do projeto nasceu o robô Jaci, que atua na desinfecção hospitalar, cujo nome significa deusa da lua na mitologia Tupi-guarani.

O equipamento usa luz ultravioleta e névoa ozonizada para prevenir e reduzir a propagação de agentes infecciosos como bactérias, fungos e vírus em ambientes hospitalares. As primeiras unidades eram operadas por controle remoto, o que já representava um avanço. O controle à distância eliminava qualquer efeito danoso nos operadores e ampliava a desinfecção inicialmente feita apenas nas superfícies usando solventes químicos pesados, então abrangendo também a desinfecção do ar.

Agora, graças ao Programa Finep Startup, o novo modelo autônomo, desenvolvido pela Instor com o apoio do grupo Phi Robotics Research Lab, do Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pode virar realidade e receberá recursos Finep da ordem de R$ 1,2 milhão para otimizar a solução e escalar o negócio. Há hoje quatro equipamentos em operação, um em sua versão autônoma, em São Paulo. 

A tecnologia que garante a autonomia do Jaci permite que, deixado em um ambiente totalmente desconhecido, sua luz vá incidindo sobre as superfícies à medida em que ele vai se deslocando, liberando a quantidade de energia necessária para a desinfecção. No fim do processo, é possível obter um mapa com a informação da quantidade de energia que incidiu em cada local do ambiente, bem como verificar se alguma região não foi totalmente desinfectada.

O uso da névoa ozonizada é outro diferencial do modelo autônomo. Durante o funcionamento, o robô marca os pontos dos quais não conseguiu a aproximação necessária para que a luz incidisse como deveria e então volta a esses locais e dispara a névoa ozonizada. No final do processo de desinfecção, o robô cria um relatório com todo o mapa do ambiente, níveis de UVC e pontos onde foi usada a névoa ozonizada. Ambas versões possuem uma plataforma online que permite gerenciar a limpeza e a desinfecção dos ambientes.