Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. Primeiro dia de Seminário promovido pela Finep traz questões e soluções para a inovação no Brasil
fechar
Compartilhar

 luis fernandes seminario nov 2015
Luis Fernandes, presidente da Finep, na abertura do Seminário (Foto: João Luiz Ribeiro/Finep)

O primeiro dia do Seminário de Desenvolvimento Produtivo e Inovativo: Oportunidades e Novas Políticas, aconteceu na manhã desta quarta-feira (04/11), na Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro). A abertura contou com a presença do presidente da Finep, Luis Fernandes, além de representantes de instituições e entidades parceiras, como o CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos), o Centro de Altos Estudos Brasil Século XXI, o Clube de Engenharia e a Firjan.

Durante a cerimônia, a inovação e o atual cenário político-econômico foram pautas recorrentes entre os participantes. O vice-presidente da Firjan, Carlos Fernando Gross e o representante do Clube de Engenharia, Márcio Fortes, citaram a importância da inovação nos setores da economia que representam – Indústria farmacêutica e Engenharia, respectivamente – e a necessidade de empreendedorismo: “Empresários não se formam na universidade. Essa categoria de pessoas se define pela visão de futuro e coragem”, disse Gross. Fortes destacou que a engenharia é capaz de contribuir de forma intensa e produtiva para o desenvolvimento do País e apontou a Finep como grande protagonista da independência inovadora do Brasil no setor.

O presidente do CGEE, Mariano Laplane, alertou que é preciso reconhecer que o País avançou, mas é devemos ir além: “Não podemos parar no ponto a que chegamos. Existem novos desafios, novas restrições. É necessário continuar discutindo e atuando para incorporarmos ainda mais conhecimento em nossa atividade produtiva”, disse. O presidente do Centro de Altos Estudos, José Eduardo Cassiolato, completou, dizendo que, desde 2003, a inovação avançou no País, mas que em um mundo globalizado, precisamos progredir ainda mais: “Esperamos que o encontro seja produtivo. Queremos contribuir de forma positiva com o debate e avançar ainda mais no caminho da inovação”.

Palestra - Revisão do passado e propostas para o futuro

Após a participação na mesa de abertura, o presidente da Finep liderou a primeira palestra do evento. Em sua apresentação, Fernandes destacou que vivemos em uma conjuntura peculiar: “estamos em uma confluência de momentos desafiadores na política e na economia”. O presidente disse que o objetivo de um evento como o Seminário é reunir pesquisadores, formuladores, executores e parceiros para pensar na promoção do desenvolvimento e da inovação no País.

Fernandes defendeu a ampliação do financiamento público aos projetos de inovação e analisou o avanço do setor nas últimas décadas: “A industrialização avançou muito, mas o desenvolvimento científico tecnológico não acompanhou esse crescimento na mesma proporção”, disse. “Houve uma desconexão sistêmica, com baixo nível de integração entre os dois processos”. O presidente ainda apresentou alguns indicadores que apontam para um baixo investimento empresarial em inovação e explicou que os países que despontam nos rankings de Pesquisa e Desenvolvimento são sempre aqueles com indicadores maiores de participação privada, como é o caso da Coreia do Sul.

Os eixos temáticos e setores que necessitam de maiores investimentos também foram citados pelo presidente: “O tema central no momento é definir se devemos executar grandes ações de crédito ou se faremos uma ação abrangente, contemplando mais setores da economia e sociedade”. Além disso, Fernandes defendeu um projeto nacional mais estável e a definição dos participantes deste processo. Ainda segundo o presidente, instrumentos como o FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), precisam voltar a se dedicar às suas ações fim e deixarem de ser substitutivas: “Precisamos resgatar o FNDCT à sua finalidade. O Fundo deve voltar a ser complementar e não servir como alocação para ações orçamentárias”, disse.

Palestra da tarde

O tema da segunda mesa foi Política Macroeconômica e as Estratégias Microeconômicas. Durante a discussão, os painelistas destacaram a importância do financiamento público como forma de alavancar o investimento do setor privado em inovação para o desenvolvimento do País.

Ester Dweck ,secretária de Orçamento Federal do MPOG, André Biancarelli do Instituto de Economia da Unicamp e Vanessa Laplane diretora da Universidade Federal de Uberlândia, foram os palestrantes que, embora com pontos de vista nem sempre convergentes, chamaram atenção para a complexidade da conjuntura atual do Brasil e a necessidade de avançar não apenas na economia, como também na consolidação das políticas públicas de geração de emprego e renda.

O tema foi coordenado pelo senador Saturnino Braga, hoje presidente do Centro Internacional Celso Furtado, e teve como debatedor Mariano Laplane, presidente do CGEE. O jornalista Jorge Vidor mediou o encontro.

Homenagem a Maria da Conceição Tavares

“Hoje, vivendo em conjuntura tão adversa, é fundamental recuperarmos as esperanças pra reconduzir o País na direção de um novo projeto de desenvolvimento econômico”, afirmou a economista Maria da Conceição Tavares, homenageada pela Finep no evento. A professora recebeu o troféu José Pelúcio das mãos do presidente da financiadora e assistiu a um vídeo comemorativo, com depoimentos de pessoalidades, como o economista Carlos Lessa, e Luciano Coutinho, presidente do BNDES.


maria conceicao tavares homenagem nov 2015
Maria da Conceição Tavares (Foto: João Luiz Ribeiro/Finep)

Em sua fala, Conceição disse ser urgente uma profunda reforma do Estado e uma frente ampla de alianças de todos os segmentos da sociedade, “para juntos lutarmos contra o desânimo e desesperança. Pretendo continuar a lutar até morrer”, declarou. A professora disse, ainda, que o caminho para uma nova retomada do desenvolvimento brasileiro deveria se volta, em parte, para o passado. “Temos que fazer, de um lado, um esforço para a substituição de importações novamente, sem deixar de lado os avanços de bem estar social que conquistamos ao longo da última década. Isso não pode ser interrompido”, finalizou.

 

Rio de Janeiro

Sede:
Av. República do Chile, 330, Torre Oeste - Centro
10º, 11º, 12º, 15º, 16º e 17º andares
CEP: 20031-170 - Rio de Janeiro - RJ

Unidade Flamengo:
Praia do Flamengo 200, 3º andar
CEP: 22210-065  - Rio de Janeiro - RJ.

São Paulo

Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 510 - 9º andar - Itaim Bibi
CEP: 04543-000  - São Paulo - SP

Brasília

SHIS QI 1 - Conjunto B - Bloco D - 1º Subsolo.
Ed. Santos Dumont - Lago Sul
CEP: 71605-190 - Brasília - DF

Fortaleza 

Av. Dom Luis, 807-20º e 21º pavimento
Meireles, CEP 60160-230 - Fortaleza - CE